18/12/2015

Resenha: A Garota no Trem Paula Hawkins

 Oi gente, ando meio sumida ultimamente, confesso para vocês estava colocando minha leituras em dia e espero que vocês também estejam, pois graças a Deus as férias começaram e com isso aviso que fiquem espertos pois este mesmo como devem ter percebido a várias promoções no ar é em janeiro o blog vais estar recheados de novidade, é pretendemos voltar com o top comentarista, e contamos com todos para o crescimento                                             deste blog, então vamos a resenha!

Título: A Garota no Trem
Autor: Paula Hawkins
Editora: Record
Número de Páginas: 378
Ano de Publicação: 2015

A Garota no Trem conta a história de Rachel, uma simples inglesa de 30 anos com a mente fértil, divorciada de Tom por motivos alcoólatras. Rachel vai (finge) trabalhar e todos os dias pega o trem das 8h04min de Ashbury para Londres. Durante o percurso, vê florestas, casas vitorianas e etc, e observa a vida de Jess e Jason (na verdade Megan e Scott), que sequer conhece, até que presencia um acontecimento (envolvendo Megan) chocante para ela..

 Na noite deste mesmo dia descobre ela que Megan sumiu, onde a maioria dos jornais britânicos mostram como anda a investigação. Ela sente que está dentro do caso, desde que presenciou esse FATO. É convocada a depor, começa a visitar Scott e ajudá-lo a descobrir o caso. 
“De vazio, eu entendo. Começo a achar que não há nada a se fazer para preenchê-lo. Foi o que percebi com as sessões de terapia: os buracos na sua vida são permanentes. É preciso crescer ao redor deles, como raízes de árvore ao redor do concreto; você se molda a partir das lacunas. 
Durante a trama, Rachel, que não aceita muito bem sua separação, "incomoda" seu marido e sua atual mulher, Anna (que sempre pensa em denunciar sua "rival", porém descobre que elas juntas podem resolver o crime).

No trem a caminho de casa, ao analisar tudo o que deu errado hoje, fico surpresa por não estão me sentindo tão mal. Pensando bem, já sei por quê: não bebi ontem à noite, e não sinto vontade de beber agora. Estou interessada, pela primeira vez em muito tempo, em algo que não seja minha própria desgraça. Tenho um objetivo. Ou, pelo menos, uma distração.”
A narrativa eu achei um pouco lenta no começo, porém desde a primeira pagina intrigante, gira a partir dos pontos de vista de Rachel, Megan e Anna, onde uma simples conversa pode dar pistas para o final. Um livro que nos faz pensar sobre alcoolismo e a perda de memória por sua causa, sobre a morte (desde seu lindo prólogo) e todas as consequências que podem ser acarretadas a partir do passado sombrio e sentimental de Megan. 

Um livro que super recomendo e acho que todos deveriam ler. Após esse livro, você realmente muda sua forma de ver as pessoas a sua volta.
                                                                                                          Por: Matheus Souza Galletti.

.