30/06/2016

Resenha: Dialética da Felicidade

Olá a todos! Como vão? Hoje trago resenha de um e-book que recebi em parceria com Lucas Bonafé, o autor de "Dialética da Felicidade"...





O livro é bem curtinho, tem cerca de 92 páginas e é narrado em 3ª pessoa, e gostei de lê-lo... Sem mais demoras, vamos falar dele!

O livro nos traz a vida de Carlos, um órfão, que já passou por muitos sofrimentos e angústias na vida. Ele está a morar em uma pequena casa, desconfortável e antiga, que pertenceu a seus pais antes de suas prematuras mortes. Carlos acaba por criar esperanças, depois da morte de seu tio e tutor, com uma ligação de sua tia-avó querendo o ajudar. Ele nunca ouvira falar dela, e investiga mais do caso. Nisso, percebe melhor ser acolhido por uma parente desconsiderada de sua família, a ficar só. Com a chegada dessa senhora, sua vida muda de rumo, junto com sua namorada Lenine e seu patrão Sérgio, e o jovem rapaz deve aprender a manter a felicidade mesmo nas horas mais sombrias. 

O livro nos passa certo conhecimento, de que na vida, riqueza e ascensão social é difícil, mas a espiritual é necessária, e testa nossa capacidade de confiar pessoas e não enxergar pessoas dentro das pessoas, não enxergar suas dificuldades, seus medos e etc...

Há diversas partes emocionantes sobre lembranças, sentimentos e saudades que nos fazem refletir sobre nossa vida e pensar que reclamamos do pouco sendo que tem gente que agradeceria em nosso lugar!

Durante a leitura do livro, refleti que as vezes somos realmente manipulados pelo que vemos, como em alguns casos a televisão, e não só apenas as pessoas!

"Ligamos a televisão e vemos em quase todos os canais baixaria, isto é o nível que a grande parcela da população deseja, fruto de sua cultura. E quem é o culpado? Todo mundo, infelizmente. Neste negócio não tem vítimas, tem preguiça. Não é?"
  
"Em seu peito a tristeza pelo fim de sua infância: saudades do que nunca mais voltaria."
   
"Qualquer que fosse a escolha, sabia bem que teriam suas conseqüências." 


As vezes também fingimos aprender para nos isolarmos em nossos pensamentos, e que nem tudo gira em torno do dinheiro, que é uma coisa superficial, finita. 

 O livro contém descrições lindas, como esta: 

"Chegou ao destino ainda no crepúsculo para sua felicidade."


Ao ver esses exemplos da pobreza de Carlos, pensei: Para o que somos criados afinal? Para a economia? Não. Para sermos felizes, como diz o titulo do livro! Porque só enxergamos nossos conceitos nas coisas? E nos deixamos enganar e vemos outros se passarem por outra pessoa conosco... 

O livro é bem legal de ser lido, e apesar de um pouco chocante por não condizer com nossa realidade, vale a pena, e recomendo, tem muitas questões a serem levantadas, que nos muda a perspectiva... Sem contar que o autor soube conduzir o livro bem no final e enganar o leitor!

"Dificilmente um olhar esconde os tormentos da alma. Inconscientemente definira que olhos não mentem, pois nunca pensara claramente na importância dos olhos nos relacionamentos."

"Tento me reconciliar com a vida, partindo do meu passado e você faz parte dele. Você é minha possibilidade."

Avaliação: 
4**** (4 estrelas)
Gostei do livro! 


Links de venda: 
Amazon  

Enfim, fica uma dica de literatura nacional! 

Até a próxima, MEF! 


.